Pecuaristas são atendidos e ministério reduz dosagem da vacinação contra aftosa

O Ministério da Agricultura atendeu a uma solicitação da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e vai disponibilizar a nova vacina contra febre aftosa, em dose reduzida de 5 ml para 2 ml, na primeira etapa de imunização do rebanho, em maio deste ano.

Segundo o assessor técnico da Comissão de Bovinocultura de Corte da CNA, Ricardo Nissen, a vacina com menor dosagem reduzirá as reações (abcessos) nos animais e os impactos econômicos ao produtor rural. “Quando o animal vai para o abate, se houver alguma inflamação causada pela vacina, a parte afetada é retirada da carcaça antes de ser pesada e isso gera prejuízo ao pecuarista. A ideia da nova fórmula é que esse impacto seja zero ou o menor possível”.

Ricardo explica que o produtor perde, em média, 2 a 3 quilos de carne por animal abatido, quando as lesões provocadas pela vacinação são encontradas. “O pecuarista já possui gasto com a compra da vacina e não é ressarcido pela carne descartada”.

Em julho de 2017, a CNA assinou uma nota técnica pedindo a mudança na composição da vacina com a redução do volume da dose e a retirada da substância saponina.

De acordo com o calendário nacional, os estados brasileiros devem vacinar todo o rebanho bovino e bubalino em maio. Acre, Espírito Santo e Paraná, que aplicam apenas em animais jovens (de até 24 meses de idade), Amapá, que faz a imunização somente no segundo semestre, e Santa Catarina, livre de febre aftosa sem vacinação, são as exceções.

Retirada da vacina

Em 2018 o Brasil foi reconhecido pela Organização Mundial da Saúde Animal (OIE) como país livre de febre aftosa com vacinação. A próxima etapa é obter o status livre da doença sem a vacina.

Para isso, o Plano Nacional de Erradicação da Febre Aftosa (PNEFA) do Ministério da Agricultura dividiu o país em cinco blocos e propôs um cronograma para a retirada:

Bloco 1 (AC e RO)

– Maio de 2019 – última data para vacinação.

Bloco 2 (AM, PA, AP e RR) e Bloco 3 (todos os estados do NE, com exceção de SE e BA)

– Maio de 2020 – última data para vacinação.

Bloco 4 (BA, SE, ES, RJ, MG, SP, GO, DF, e TO) e Bloco 5 (MS, MT, PR¹, RS e SC²)

– Maio de 2021 – última data para vacinação.

¹O Ministério da Agricultura aprovou no ano passado o pedido do Paraná de antecipar para novembro de 2019 a retirada da vacinação. O estado continuará integrando o bloco 5 no PNEFA.

²Atualmente, Santa Catarina é o único estado com reconhecimento de área livre sem vacinação.

DEIXE SEU COMENTÁRIO ABAIXO: