Entidades do agronegócio comemoram sanção da nova Lei Fundiária do Estado do Amapá

Lideranças como Daniel Sebben, Jesus Pontes e Iraçu Colares na cerimônia no Setentrião

Aconteceu nesta terça-feira, 15, a solenidade no Palácio do Setentrião para sancionar nova lei fundiária do estado do Amapá, a qual tem como finalidade atualizar o marco legal às necessidades amapaenses na perspectiva produtiva e de agregação dos setores sociais em torno de uma política de desenvolvimento.

A partir do Decreto Presidencial 8.713 de 15 de abriu de 2016, o qual versa sobre a transferências das terras pertencentes à União para o Estado do Amapá, se criou a necessidade da realização de ajustes na legislação estadual para viabilizar a titulação fundiária aos milhares de detentores de posses existentes no Amapá. Neste sentido, o poder executivo estadual enviou mensagem ao poder legislativo contendo o Projeto de Emenda Constitucional 002/17, que “altera a Constituição do Estado do Amapá para inserir modificações no Título VII Capítulo III, relativas às Políticas Agrárias, Fundiárias, Agrícolas e Extrativista Vegetal” e o Projeto de Lei Complementar 005/17, que trata das terras públicas e devolutas do Estado, em substituição à Lei 004 de 27 de junho de 1993.

A Assembleia Legislativa, através da Comissão de Políticas Agrárias, a qual tem como Presidente a Deputada Estadual Roseli Matos, apresentou um projeto substitutivo, após ampla discussão com todos os setores envolvidos nas questões produtivas e ambientais, como a Comissão da Pastoral da Terra – CPT, Associação dos Produtores de Soja e Milho do Amapá – Aprosoja-AP, e Associação dos Criadores do Amapá – Acriap, e a Comissão de Redação e Justiça, presidida pela Deputada Estadual Edna Auzier, encontraram a redação em consenso para o projeto através de propostas elaboradas pelos mesmos, facilitando a sua aprovação em plenário pela absoluta maioria dos deputados estaduais.

O ato realizado no Palácio do Setentrião para sancionar a nova lei fundiária contou com a participação de um grande público formado por ambientalistas, produtores agrícolas, pecuaristas, empresários e população em geral, os quais acompanharam os pronunciamentos de autoridades do Estado e lideranças do setor agropecuário.

Na elaboração da nova lei fundiária, destaca pontos como o da morada habitual, que passa a ser considerada como critério com ou sem habitação local, mas considerando o domicílio do requerente de regularização no estado do Amapá, o que contribui com a atração de mais investidores na produção agropecuária por regras mais bem definidas.

A Lei depende de regulação para o seu funcionamento sob a responsabilidade do Poder Executivo Estadual, sendo que o Governador Antônio Waldez Góes anunciou sua efetivação em até noventa dias, juntamente com o envio do projeto de reestruturação do Instituto de Meio Ambiente e Ordenamento Territorial do Amapá –IMAP. Estas medidas fazem parte de um pacote de políticas públicas voltadas ao desenvolvimento econômico por meio do setor agropecuário do estado, segundo Góes.

 

DEIXE SEU COMENTÁRIO ABAIXO: