Confederação de Agricultura confirma inédita participação do Amapá no ensino rural gratuito

A formação de técnicos em agronegócio é inédita no Amapá | Foto: Eduardo Aigner

Lilian Azevedo, da Redação

O Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) está oferecendo vagas para o curso gratuito Técnico em Agronegócio pela primeira vez em 20 novos polos de ensino espalhados pelo país. Entre essas novas unidades, duas ficam no Amapá, nos municípios de Itaubal do Piririm e Laranjal do Jari, no estado do Amapá. Cada uma vai ofertar 30 vagas na capacitação que terá duração de dois anos.

O curso semipresencial tem duração de dois anos e oferece 2.410 vagas em um total de 70 polos distribuídos em 21 Estados e no Distrito Federal. Além das aulas online, os aprovados terão que comparecer a uma localidade de ensino de acordo com as datas definidas no calendário escolar.

Entre os novos polos estão previstas também a instalação no Pará, entre eles uma comunidade vizinha ao Amapá, em Almerim, na outra margem do Rio Jari, região Sul do estado. Além de lá, existem novos polos também em Marabá, Moju, Santa Bárbara do Pará e Santarém.

País

Para atender os produtores rurais da região Nordeste são cinco polos novos. Barreiras, na Bahia, e Recife também passam a oferecer a formação técnica. Já no estado do Maranhão, a população pode se inscrever para assistir às aulas nos municípios de Pindaré Mirim e Viana. 

Em Alagoas, os encontros presenciais ocorrerão nos municípios de Junqueiro e Olho D`água das Flores.

O estado de Minas Gerais, que já oferta o curso Técnico em Agronegócio, agora passa a oferecer também a formação técnica nos municípios de Araçuaí, Montes Claros, Teófilo Otoni e Uberaba. Goiás também ganhou um novo polo no município de Cavalcante, região da Chapada dos Veadeiros. Já em Santa Catarina, o curso é ofertado pela primeira vez nos municípios de Lages e Campos Novos.

Leia também:

Superintendente de aprendizagem rural fala do curso de técnico em agronegócio no AP

SENAR abre seleção a 2 mil vagas no curso técnico em agronegócio; 60 são para o Amapá

 

DEIXE SEU COMENTÁRIO ABAIXO: